(79) 3043-6100

ANÁLISES


Análise de Alimentos

Dentre os vários parâmetros que indicam a qualidade e a inocuidade de alimentos, os mais importantes são aqueles que definem as suas características microbiológicas. É importante lembrar que alimentos crus, como carnes, leite, vegetais, pescados, e muitos outros, têm microrganismos chamados “autóctones”, ou seja, microrganismos naturalmente presentes, que fazem parte da microbiota natural destes produtos. Sua presença é, portanto, esperada. Entretanto, os alimentos podem ter microrganismos contaminantes que podem causar alterações indesejáveis, reduzindo sua vida útil, e podem ser patogênicos, comprometendo a saúde do consumidor.

Para que se faz análise microbiológica de um alimento? Ela é necessária para a obtenção de informações sobre as condições de higiene durante sua produção, processamento, armazenamento e distribuição para o consumo, sobre sua vida de prateleira e sobre o risco que representa à saúde. Quando um alimento é suspeito de ter causado uma enfermidade de origem alimentar, a elucidação do agente etiológico reveste-se da maior importância, para que as medidas corretivas corretas possam ser adotadas.

Parâmetros analisados conforme RDC nº 12


• Contagem de Bactérias Mesófilas
• Coliformes Fecais (NMP)
• Contagem de Staphylococcus coagulase positiva
• Contagem de Bacillus cereus
• Pesquisa de Salmonella sp
• Contagem de Clostridium sulfito redutor
• Pesquisa de Listeria Monocytogenes

Identificação de materiais estranhos e sujidades

Ao longo de sua cadeia produtiva todo alimento está sujeito aos perigos biológicos provenientes da matéria-prima, dos insumos, do ambiente e das pessoas, durante o seu processamento e em todas as etapas, até a mesa do consumidor.
Dentre os perigos macrobiológicos há, por exemplo, as moscas, mosquitos e coisas desse tipo, que embora repugnantes, se presentes no alimento, nem sempre representam risco à saúde do consumidor, à parte as poucas exceções de insetos que são venosos.
Entretanto, as patas, as asas e pelos dos insetos podem carrear outro tipo de perigo, que são os microrganismos e, dentre estes, os que são patogênicos. Por isto, os insetos são perigos sérios, se pousarem em alimentos prontos para consumo, pois podem contaminá-lo.
 
Análise de Água


Potabilidade de Água

Verificar a potabilidade da água significa analisá-la para saber se o consumo é seguro, ou seja, se a ingestão da água pode ou não trazer riscos à saúde do consumidor. Toda água destinada ao consumo humano deve obedecer aos padrões de qualidade estabelecidos pela Portaria de Consolidação nº 5, de 3 de outubro de 2017 (Antiga Portaria MS 2914).

Segundo a Portaria a verificação da potabilidade é dividida em classes de análises, sendo as mais frequentes as análises físico-químicas do padrão de aceitação para consumo humano e as análises bacteriológicas do padrão microbiológico de potabilidade da água para consumo humano .

A análise bacteriológica identifica possíveis infestações por microorganismos através da análise de indicadores como o E.Coli e os Coliformes Totais.

Análise Físico-Químico da Água

Os resultados físico-químicos, além de indicar se existe contaminação presente, permitem identificar as possíveis causas de uma contaminação. Dependendo dos resultados das análises é possível dizer se a água é potável, se tem características de mineralidade, ou se adequa a outros usos.

Os resultados são úteis, uma vez que, tendo a certeza das características físico-químicas da água, é possível propor com maior exatidão o tratamento correto e corrigir com eficácia seus
parâmetros alterados permitindo a sua utilização, ou então condená-la para determinado uso evitando o consumo indevido. Portaria de Consolidação nº5, de 03 de outubro de 2017 (Antiga Portaria MS 2914).
Água de Piscina


Piscinas de uso coletivo estão constantemente sendo contaminadas por diversos tipos de patógenos existentes na superfície da pele e excreções liberadas na água por seus usuários. Quando a piscina não possui um tratamento eficaz, esses organismos são liberados na água, onde se multiplicam e podem contaminar os demais banhistas. Tal fato é agravado devido a diminuição na resistência da epiderme causada pelo atrito com água e pelos longos períodos de imersão. Outro modo comum de contaminação é por meio da ingestão de água contaminada, mesmo que em pequenas quantidades, e de seu contato em regiões sensíveis como olhos, fossas nasais, ouvidos e órgãos genitais.

A única forma de se certificar que o tratamento de uma piscina está sendo eficaz no combate aos organismos prejudiciais à saúde dos banhistas é por meio da físico-química e bacteriológica da água realizadas em laboratório com as tecnologias apropriadas, pois, mesmo piscinas com aspecto límpido estão sujeitas a contaminações sérias.

Análise  de Água de Piscina - critérios utilizados ABNT NBR 10818:1989.

Quais são os parâmetros analisados?

Microbiológicos: Pesquisa de Staphylococcus Aureus, Pesquisa de Coliformes Totais, Pesquisa de Pseudomonas  Aeruginosa, Pesquisa de Coliformes  Fecais, Contagem de Bolores e Leveduras.

Físico-químicos: Cloro Residual Livre, Cor, Cloramina, pH, Odor, Alcalinidade Total, Aspecto, Turbidez e Dureza Total.
Água de Poço



Muitas pessoas pensam que a água de poços é totalmente limpa e segura, porém é necessário de uma Análise de Água de Poço Artesiano – Portaria de Consolidação nº5, de 03 de outubro de 2017 (Antiga Portaria MS 2914). As águas subterrâneas correspondem a 97% de toda a água doce encontrada no planeta.

As reservas subterrâneas geralmente são formadas pelas águas de chuvas que lentamente se infiltram pelos poros das rochas. Normalmente esses reservatórios possuem água de boa qualidade para o consumo humano, devido ao processo de filtragem e por reações biológicas e químicas naturais, porém esta qualidade fica comprometida quando fatores externos influenciam a contaminação de aquíferos.


Água de Rios

 

A condição de qualidade das águas é a “qualidade apresentada por um corpo d’água, num determinado momento, em termos dos usos possíveis com segurança adequada, frente às Classes de Qualidade”, sendo que cada classe de qualidade representa um “conjunto de condições e padrões de qualidade de água necessários ao atendimento dos usos preponderantes, atuais ou futuros”, de acordo com a Resolução CONAMA n. 410/2009.

A classificação da qualidade das águas pode variar, conforme os usos aos quais elas se destinam.

Ações inadequadas da humanidade no meio ambiente têm prejudicado o seu equilíbrio dinâmico. Um exemplo disto é a degradação das águas de rios, causada pelo lançamento de esgotos sanitários sem o devido tratamento, assim como pelo despejo de resíduos sólidos e efluentes industriais em galerias de águas pluviais, córregos e valetas a céu aberto, o que tem promovido um aumento de matéria orgânica nas águas, cuja decomposição se faz com o consumo de uma elevada quantidade de oxigênio dissolvido, prejudicando, assim, a sobrevivência de organismos que dele necessitam.

O monitoramento consiste na “medição ou verificação de parâmetros de qualidade e quantidade de água, que pode ser contínua ou periódica, utilizada para acompanhamento da condição e controle da qualidade do corpo de água”.
Análise de Efluentes



Preservação do Meio Ambiente e proteção da saúde pública

A cada dia vem aumentando a preocupação com a preservação do meio ambiente devido ao uso indiscriminado dos recursos naturais, que vem apresentando índices cada vez mais intensos de poluição e degradação ambiental, o que tem tornado estes recursos escassos ou inapropriados para uso humano. Por isso os Órgãos Fiscalizadores vem intensificando as exigências, incluindo a solicitação da análise físico química de efluentes.

A análise de água e efluentes consiste na pesquisa da qualidade da água utilizada em processos industriais que posteriormente é devolvida à natureza, mantendo assim, características específicas para que não ofereça risco de poluição hídrica.
 
Análise do Ar


A análise Microbiológica do Ar Interior é um estudo que determina os níveis de contaminação microbiológica e as quantidades de poluentes em ambientes climatizados. Este controle de qualidade do ar é feito através de coletas e exames em laboratório e aponta possíveis proliferações de fungos e contaminações químicas, resultantes de problemas de circulação de locais fechados e falhas técnicas de aparelhos climatizadores.

A qualidade do ar de interiores tornou-se um tema de pesquisa importante na área de saúde pública. Esse interesse ocorreu após a descoberta de que baixas taxas de troca de ar em ambientes fechados ocasionam um aumento considerável na concentração de poluentes químicos e biológicos no ambiente.

Nessas últimas décadas, houve um grande aumento de queixas relacionadas à qualidade de ar em locais fechados, principalmente em edifícios de microclima artificial. Essas queixas geraram variados estudos em diferentes países e períodos, a EPA (Environmental ProtectionAgency) reportou que em diversos ambientes o ar interior pode estar até 10 vezes mais poluído que o ar externo, e que cerca 75% dos ambientes fechados pesquisados têm problemas com Vírus, Bactérias, Germes, Ácaros, Fungos, Mofos e substâncias químicas nocivas.

Segundo a OMS, atualmente mais de 2 milhões de pessoas morrem por ano devido a enfermidades causadas pela contaminação do ar interior.  O mesmo órgão indicou ainda que 1,1 milhão de mortes poderiam ser evitadas se as normas de segurança fossem respeitadas.Resolução ANVISA RE nº 9, de 16 de janeiro de 2003.
 
Análise de Embalagens



Com análise microbiológica nas embalagens você está garantindo a qualidade do seu produto e a segurança do seu consumidor.

As exigências dos consumidores e agências reguladoras, associadas à necessidade de embalagens mais eficientes, seguras, com boa qualidade microbiana conduziram à obtenção de embalagens que garantam a integridade do produto e a saúde do usuário, entretanto, a embalagem pode ser fonte de contaminação.

As embalagens têm como principal finalidade proteger os alimentos contra qualquer tipo de ação de deterioração seja ela de natureza química, física ou microbiológica. Fabricantes de produtos diversos como, produtos cosméticos, de higiene pessoal, farmacêuticos (remédios), agropecuários e outros, muitas vezes investem significativas quantias para que seus produtos sejam bons o suficiente para competir em um mercado cada vez mais exigente e regulado.

Qualquer material ou objeto destinado a entrar em contato direto ou indireto com humanos, devem ser suficientemente inertes para excluir a transferência de substâncias para os produtos em quantidades susceptíveis de representar um risco para a saúde ou de provocar uma alteração inaceitável na composição dos produtos ou uma deterioração das suas propriedades organolépticas.
 
Análise de Equipamentos


De acordo com a portaria SVS/MS 326, 30 de julho de 1997, todo o equipamento e utensílio utilizado nos locais de manipulação de alimentos que possam entrar em contato com o alimento devem ser confeccionados de material que não transmitam substâncias tóxicas, odores e sabores que sejam não absorventes e resistentes à corrosão e capaz de resistir a repetidas operações de limpeza e desinfecção.

Todo equipamento e utensílio que tenham entrado em contato com matérias-primas ou com material contaminado devem ser limpos e desinfetados cuidadosamente antes de serem utilizados para entrar em contato com produtos acabados.

O monitoramento microbiológico de máquinas e equipamentos industriais deve ser feito por conta de uma série de diretivas e regulamentos internacionais e regionais que tem como objetivo proporcionar a segurança e proteger o consumidor, provendo a sociedade meios eficazes para aferir a qualidade dos produtos.

Os testes podem ajudar a avaliar a eficácia de suas práticas de limpeza e de biossegurança. Possíveis contaminações em áreas produtivas podem trazer risco ao produto, ao consumidor e prejuízos a empresa.
 
Análise de Manipuladores



A crescente valorização do setor de alimentação e a alta competitividade, somada à preocupação com a qualidade dos alimentos alavancou a necessidade de que os estabelecimentos produtores de alimentos/refeições busquem a melhoria da qualidade dos produtos e serviços oferecidos.

O manipulador tem grande importância em todas etapas do processo de produção de alimentos, pois pode facilitar a disseminação de microrganismos deteriorantes e/ou patogênicos no ambiente de trabalho, por isso, o treinamento constante, juntamente com o monitoramento realizado através da análise de Swab de mãos torna-se fundamental para se oferecer um alimento seguro.
CLIENTES

Localização

Rua Porto da Folha, 713 - Bairro Getulio Vargas - Sergipe - SE


CONTATO

TRABALHE CONOSCO

Somos uma empresa especializada no controle de segurança alimentar, disponibilizando de infra-estrutura e tecnologia para a realização de análises, conforme especificações da ANVISA.

(79) 3043-6100

(79) 99636-3038

comercial@laboratoriohmartins.com.br

Nossa equipe é formada por profissionais qualificados, biólogos, nutricionistas, químicos, técnicos e psicólogos.

Oferecemos a empresas, parceria para a comprovação da qualidade dos seus serviços e produtos, além da confiabilidade junto ao mercado de consumo de alimentos.